ENCANTADO…

A primeira vez que eu ouvi a frase “Eu sou um cidadão do mundo” foi da boca de meu pai. Depois eu soube que essa frase era de Charles Chaplin. Mas eu sempre o ouvia dizer isso.

Quando perguntavam a ele sobre o por quê de não voltar a morar em seu país natal, a Espanha, ele sempre respondia: “a Europa está pronta há muito tempo, aqui é aonde podemos ainda construir os sonhos”.

Ele contava que o Brasil era apaixonante, pelo seu povo, pela fertilidade da sua terra, pelo potencial de inteligência das pessoas em todas as esferas sociais. Ele dizia que o Brasil era o país mais rico do mundo em tudo. Ele nunca quis levar nada embora daqui, ele dizia que o Brasil tinha que ser o próprio dono das suas bênçãos e riquezas.

Para tantos sonhos e vontade de viver, ele não poderia ter escolhido outra carreira que não fosse a de educador. Eu de pequena o acompanhava diversas vezes a trabalhar no Colégio Santo Agostinho de Contagem.

Eu presenciava a forma generosa e firme com a qual ele recebia as pessoas na sua sala. Ele acolhia famílias completamente desesperadas por dificuldades financeiras, ouvia com atenção as dores de funcionários e colaboradores, sugeria soluções específicas para cada pessoa, estimulava cada talento escondido e desacreditado. Eu ouvi muitíssimas vezes ele dizer: “seus filhos não vão ficar sem estudo”. Vi de perto tantas vezes essas cenas enquanto eu desenhava no meu cantinho, que hoje posso dizer: estejam com seus filhos e filhas deixem que elas e eles vejam o seu melhor lado.

Meu pai também dizia: “você rouba uma criança toda vez que você faz por ela tudo aquilo que ela poderia ter feito sozinha”.

Ele me tomava pelas mãos pra que eu aprendesse a lidar com as dores das pessoas, me ensinou a mexer com ferramentas, me ensinou a chegar antes do horário marcado em tudo, a honrar com a verdade e me ensinou que em uma mesa redonda cabem mais pessoas do que em uma mesa quadrada.

Só quem divide com os outros tudo o que sabe, vive para sempre. Só quem divide tudo aquilo que tem de melhor dentro do si, vive para sempre. Tudo o que você divide com o mundo passa a ser do mundo e para o mundo.

Uma vez me perguntaram capiciosamente: “Raquel, se existe Deus, como é que você explica tanta maldade no mundo?”. Eu respondi: “Se não existe Deus, então me explique a bondade, me explique o AMOR que você sente por alguém e me explique as flores que ainda nascem na guerra”. No dia em que você conseguir me explicar o Amor, eu tentarei explicar o resto.

Meu pai, Eladio Alvarez Fernandez, foi uma flor nascida na guerra civil espanhola em Março de 1938 que encantou-se em Junho de 2022. E que FLOR ENORME!

“Minha filha, nunca se esqueça que: o saber não ocupa lugar.”

Minha mãe, Rita De Cassia Oliveira Alvarez, você também é isso tudo E MUITO MAIS. O mundo ainda precisa muito de nós.

Nos braços de Deus e em comunidade, nos abraçamos…

Raquel Oliveira Alvarez – Produtora e jornalista

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s